© 2015-Present by Denise Bunk-Hatch/Franciscan Sisters of Allegany for FABS

115 East Main St., Allegany, NY 14706

FABS is a group of Third Order Franciscan Sisters with sisters in North America and Brazil,

collaborating to bring about greater inter-cultural awareness and acceptance of diversity.

CAPÍTULO I

NOSSA IDENTIDADE

 

FONTES

RR 1, 1

RA 1, 1

FVCl 6, 1

2CFi 36 – 39

Mt 16, 24

 

1. A forma de vida dos irmãos e irmãs da Terceira Ordem Regular de São Francisco é esta: observar o santo evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, vivendo em obediência, em pobreza e em castidade. Seguindo a Jesus Cristo, a exemplo de São Francisco, estão obrigados a fazer mais e maiores coisas, em observando os preceitos e conselhos de nosso Senhor Jesus Cristo, e devem abnegar-se a si mesmos conforme cada um prometeu ao senhor.

 

FONTES

RA 23,

7 RA 21,

9 RA 23,

4 Mt 25, 34

 

2. Os irmãos e irmãs desta Ordem, juntamente com todos os que querem servir ao Senhor Deus na santa Igreja Católica e Apostólica, perseverem na verdadeira fé e penitência. Queiram viver esta conversão evangélica em espírito de oração, de pobreza e humildade. E abstenham-se de todo o mal e perseverem no bem até o fim, porque o mesmo filho de Deus virá em glória e dirá a todos que o conheceram, adoraram e lhe serviram em penitência: Vinde, benditos de meu Pai, recebei o Reino que vos está preparado desde a origem do mundo.

 

FONTES

RR 1, 2 – 3

FVCl 1, 3 – 5

RR 6, 7 – 8

RA 7, 15

 

3. Os irmãos e as irmãs prometem obediência e reverência ao Papa e à Igreja Católica. No mesmo espírito obedeçam àqueles que foram instituídos no serviço da fraternidade. E onde quer que estejam e sempre que se encontrarem em algum lugar, devem respeitar-se e honrar-se espiritual e diligentemente uns aos outros. E fomentem a unidade e a comunhão com todos os membros da família franciscana.

 

 

Capítulo II

Do modo de aceitar esta vida

 

FONTES

Test 1

RR 2,1

RA 2, 1 – 3

FVCl 2, 1

 

4. Aqueles que, por inspiração do Senhor, vêm a nós, querendo aceitar esta vida, sejam recebidos benignamente. E no tempo oportuno sejam eles apresentados aos ministros, aos quais cabe o poder de admiti-los à fraternidade.

 

FONTES

RR 2, 2 – 6

FVCl 2, 2 – 4

RA 1, 1 – 3

Mt 19, 21

Lc 18, 22

Mt 16, 24

 

5. Os ministros se certifiquem se os aspirantes têm verdadeira adesão à fé católica e aos sacramentos da Igreja. Se eles forem idôneos, sejam iniciados na vida da fraternidade. Seja-lhes diligentemente exposto tudo o que pertence a esta vida evangélica, especialmente estas palavras do Senhor: Se queres ser perfeito, vai e vende tudo o que tens, dá-o aos pobres, e terás um tesouro nos céus, e vem e segue-me. E se alguém quiser vir depois de mim, renuncie a si mesmo, carregue sua cruz e sigame.

FONTES

RA 2, 14

 

6. Assim, conduzidos pelo Senhor, iniciem a vida de penitência, cientes de que todos nós estamos em contínua conversão. Como sinal de conversão e consagração à vida evangélica usem vestes baratas e vivam de modo simples.

 

FONTES

RR 2,11

FVCl 2,8

RA 22,26

ADM 16

 

7. Terminado o tempo de provação sejam recebidos à obediência, prometendo observar sempre esta vida e regra. E pondo de lado todos os cuidados e inquietações esforcem-se, da melhor maneira que puderem, por servir, amar, honrar e adorar o Senhor Deus com o coração limpo e a mente pura.

 

FONTES

RA 22,27

1CFi 5 – 10

2CFi 48 – 53

Jo 14, 23

 

8. Façam sempre em si mesmos uma habitação e uma morada para Ele, que é o Senhor Deus onipotente, Pai, Filho e Espírito Santo. E assim com o coração indiviso cresçam no amor universal, convertendo-se continuamente a Deus e ao próximo.

 

CAPITULO III

Do espírito de Oração

 

FONTES

RegNB 23, 11

RegNB 22, 29 – 30

RegNB 23, 8 Lc 18,

1 Mc 6, 31

 

9. Os irmãos e as irmãs, por toda parte, em todo lugar, a toda hora e todo o tempo, creiam na veracidade e humildade, tenham no coração e amem. Honrem, adorem, sirvam, louvem, bendigam e glorifiquem o Altíssimo e sumo Deus eterno, Pai, Filho e Espírito Santo. E o adorem com o coração puro, porque é necessário rezar sempre sem desfalecer; pois o Pai busca tais adoradores. No mesmo espírito celebrem o Ofício Divino em união com a Igreja universal. Aqueles e aquelas que o Senhor chamou para a vida de contemplação manifestem sua dedicação Deus, com alegria renovada todos os dias, celebrem o amor que o Pai tem pelo mundo. Ele, que nos criou, redimiu e nos salvará por pura misericórdia.

 

FONTES

RA 23,1

Cant 3

Mt 11, 25

 

10. Os irmãos e as irmãs louvem ao Senhor, rei do céu e da terra, com todas as suas criaturas, e lhe rendam graças, porque por sua santa vontade e por seu Filho único com o Espírito Santo criou todas as coisas espirituais e corporais e nos fez à sua imagem e semelhança.

 

FONTES

2CFi 3

Jo 6, 63

 

11. Os irmãos e as irmãs, conformando-se totalmente ao santo evangelho, meditem e conservem as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é o Verbo do Pai, e as palavras do Espírito Santo, que são espírito e vida.

 

FONTES

RA 20, 5

COrd 12 - 13

1Cl 1

Test 12

Jo 6, 54

 

12. Participem do sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo e recebam seu Corpo e Sangue com grande humildade e veneração, recordando o que diz o Senhor: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna. Mostrem toda reverência e honra, tanto quanto puderem, ao Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e a seus sacratíssimos nome e palavras escritas, em quem todas as coisas no céus e na terra foram pacificadas e reconciliadas com Deus onipotente.

 

FONTES

ADM 23, 3

2CFi 25

ADM 19,2

2CFi 45

RA 23, 9

2CFi 11 – 14

 

13. E os irmãos e as irmãs em todas as suas ofensas, não tardem em punir-se interiormente pela contrição e exteriormente pela confissão, e façam dignos frutos de penitência. Devem também jejuar, mas procurem ser sempre simples e humildes. Portanto, nenhuma outra coisa desejem, a não ser o Nosso Salvador, que pelo seu próprio sangue se ofereceu a si mesmo em sacrifício e como hóstia sobre o altar da cruz, pelos nossos pecados, deixando-nos o exemplo para que sigamos seus vestígios.

 

CAPITULO IV

Da vida em castidade por causa do Reino dos Ceus

 

FONTES

ADM 5,

1 Cl 1, 16

 

14. Os irmãos e as irmãs considerem a que excelência o Senhor os elevou, porque ele os criou e formou segundo o corpo à imagem de seu Filho dileto, e segundo o espírito à sua semelhança. Criados por Cristo e em Cristo, escolheram eles essa forma de vida, que está fundamentada nas palavras e exemplos de Nosso Redentor.

 

FONTES

RA 22, 9

Mt 19, 12

1Cor 7, 32

 

15. Os que professam a castidade por causa do Reino dos Céus são solícitos naquilo que é do Senhor, e não tem outra coisa para fazer, a não ser seguir a vontade do Senhor e agradar-lhe, e façam tudo de tal modo, que o amor a Deus e a todos os irmãos brilhe pelas suas obras.

 

FONTES

Ef 5, 23 – 26

 

16. Lembrem-se de que foram chamados pelo exímio dom da graça, para manifestar em sua vida aquele admirável mistério da Igreja, pelo qual ela está unida ao Cristo, seu divino esposo.

 

FONTES

SaudVM

I Lc 1, 38

 

17. Tenham diante dos olhos, sobretudo, o exemplo da Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e de Nosso Senhor Jesus Cristo. Façam isto segundo o mandato de São Francisco, que teve a máxima veneração para Santa Maria, Senhora e Rainha, que se tornou a virgem igreja. E recordem-se de que a imaculada virgem Maria chamou a si mesma de serva do Senhor, e sigam o exemplo.

 

CAPITULO V

DO MODO DE SERVIR E TRABALHAR

 

FONTES

RR 5, 3 – 4

RA 2,4. 8 – 9

1Pd 2, 13

2CFi 47

 

18. Como pobres, os irmãos e irmãs, a quem o Senhor deu a graça de servir e trabalhar, sirvam e trabalhem fiel e devotamente de tal modo que, excluída a ociosidade, inimiga da alma, não extingam o espírito da santa oração e devoção, ao qual devem servir todas as outras coisas temporais.

 

FONTES

RR 5, 3 – 4

RA 2, 4. 8 – 9

2CFi 47

1Pd 2, 13

 

19. Em paga pelo trabalho, porém, recebam para si e para os seus irmãos e irmãs as coisas necessárias para o corpo e façam isso humildemente, assim como convém a servos de Deus e seguidores da santíssima pobreza. E tudo o que sobrar procurem dar aos pobres. E nunca devem desejar estar acima dos outros, mas devem muito mais ser servos e súdito de toda humana criatura por causa de Deus.

 

FONTES

RR 2, 17; 3,

10 RA 7, 16

Test 23

Fl 4, 4

 

20. Os irmãos e as irmãs sejam suaves, pacíficos e modestos, mansos e humildes, e falem honestamente com todos, como convém. E onde quer que estiverem ou andarem pelo mundo, não briguem nem façam contendas com palavras, nem julguem os outros, mas mostrem-se sempre alegres no Senhor, joviais e convenientemente graciosos. Como saudação digam: o Senhor te dê a paz.

 

CAPITULO VI

DA VIDA EM POBREZA

 

FONTES

RA 9, 1 – 12

2CFi 5

FVCl 6, 3

RR 6, 3 – 4

RA 8, 11

2 Cor 8, 9

Fl 2, 7

1Tm 6, 8

 

21. Todos os irmãos e irmãs se empenhem em seguir a humildade e pobreza de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo infinitamente rico, quis ele mesmo no mundo, juntamente com a bem-aventurada Virgem, sua Mãe, escolher a pobreza e aniquilar-se a si mesmo. E recordem-se que não nos é necessária ter nenhuma outra coisa no mundo inteiro, a não ser como diz o apóstolo: Tendo alimento e com que nos cobrir, com isso estamos contentes. E tomem muito cuidado com o dinheiro. E devem alegrar-se quando se acharem entre pessoas vis e desprezadas ou entre os pobres, os fracos, os leprosos e junto dos que mendigam pela rua.

 

FONTES

ADM 14

RA 7, 13

RR 6, 1 – 2. 4-6

FVCl 8, 1 – 2

Mt 10, 27 – 29

Sl 141, 6

Tg 2, 5

1Pd 2, 1

 

22. Os que são verdadeiramente pobres no vigor do espírito, e seguem o exemplo do Senhor, de nada se apropriam nem se defendem contra o outro, mas vivem como peregrinos estrangeiros neste século. Esta é aquela grandeza da altíssima pobreza que nos instituiu herdeiros e reis do reino dos céus, que nos fez pobres de coisas , mas nos sublimou pelas virtudes. Esta seja a nossa porção que nos conduz à terra dos vivos. Totalmente apegados a ela, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo não queiramos jamais ter nenhuma outra ciosa debaixo dos céus.

 

CAPITULO VII

Da Vida Fraterna

 

FONTES

TestCl 18

RA 11, 5 – 6

RA 9, 10

ADM 24

RA 10, 3

Jo 12, 18; 15, 12

1 Jo 3, 18

 

23. Por causa do amor de Deus, os irmãos e as irmãs amem-se uns aos outros, como diz o Senhor: Este é o meu mandamento, que vos ameis uns aos outros como eu vos amei. E manifestem pelas obras o amor que têm para com o outro. E com confiança manifeste um ao outro sua necessidade, para que ele encontre o necessário e lhe sirva. Bemaventurados aqueles que amarem o outro tanto quando ele está doente e não pode satisfazer-lhes como quando ele está são e pode satisfazer-lhes. E por tudo que lhes acontecer rendam graças ao Criador, e desejem ser tais como o Senhor quer que sejam, seja com saúde, seja doentes.

 

FONTES

Mn 15

RR 7, 3

FVCl 9, 3 – 4

Mt 18, 35

Mt 5, 24

 

24. Se acontecer que entre eles , por uma palavra ou gesto, surgir alguma ocasião de perturbação, imediatamente antes de apresentar a Deus a oferta de sua oração , peça humildemente perdão um ao outro. Se alguém tiver negligenciado gravemente a forma de vida que professou, seja admoestado pelo ministro ou por aqueles que tiverem conhecimento da culpa dele. E não o façam passar vergonha e nem detraiam mas tenham grande misericórdia para com ele. Mas todos devem cuidar atentamente de não se irritarem ou perturbarem-se por causa do pecado do outro, porque a ira e perturbação impedem a caridade em si e nos outros.

 

CAPITULO VIII

Da Obediência por Amor

 

FONTES

2CFi 10, 2

FVCl 10, 2

RA 18, 1

RA 5, 9 .14 – 15

Test 34

RegNB 5, 9.14 – 15

Mt 6, 33

Gl 5, 13

 

25. A exemplo do Senhor Jesus, que colocou sua vontade na vontade do Pai, recordem-se os irmãos e as irmãs que, por causa de Deus, abnegaram as próprias vontades. Em todos os capítulos que fazem, busquem antes de tudo o reino de Deus e sua justiça e exortem-se entre si para poderem observar melhor a regra que prometeram e poderem seguir fielmente os vestígios de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não exerçam poder ou domínio, principalmente entre si. Pela caridade do espírito sirvam e obedeçam voluntariamente uns aos outros. E esta é a verdadeira e santa obediência de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

FONTES

RR 8, 1

RR 10, 3

FVCl 10, 2

 

26. Estejam obrigados a ter sempre um como ministro e servo da fraternidade e estejam firmemente obrigados a obedecer-lhe em tudo aquilo que prometeram ao Senhor observar e que não seja contrário à alma e a esta regra.

 

FONTES

RA 4, 2

FVCl 10, 1 – 3

TestCl 19

 

27. Aqueles que são ministros e servos de todos, os visitem e com humildade e com caridade os admoestem e os confortem. E onde quer que estiverem, os irmãos e as irmãs que sabem ou conhecem não lhes ser possível observar espiritualmente a regra, devem e podem recorrer a seus ministros. Os ministros, porém, os recebam caridosa e benignamente e tenham com eles tanta familiaridade, que eles possam falar e haver-se como senhores com seus servos; pois assim deve ser, que os ministros sejam servos de todos.

FONTES

RA 17, 4

 

28. E ninguém se aproprie de algum ministério; mas no tempo estabelecido deponha de bom grado seu ofício.

 

CAPITULO IX

Da vida Apostolica

 

FONTES

1CFi 1, 1

COrd 8 – 9

Tb 3, 4 – 6

Mc 12, 30

Mt 22, 30

 

29. Os irmãos e as irmãs amem o Senhor de todo o coração, de toda alma e mente, com todo o vigor, e amem a seu próximo como a si mesmos. E exaltem o Senhor em suas obras porque ele os enviou ao mundo inteiro para que, pela palavra e pela obra, dêem testemunho de sua voz, e façam saber a todos que não há outro onipotente além dele.

 

FONTES

Leg3C 58

RA 16, 10 – 12

Mt 5, 10

 

30. A paz que anunciam com a boca, tenham-na mais amplamente em seus corações. Ninguém seja por eles provocado à ira, ao escândalo, mas pela mansidão sejam provocados `a paz, benignidade e à concórdia. Pois os irmãos e as irmãs foram chamados para curar os feridos, reanimar os abatidos e reconduzir os errantes. E em toda parte onde estiverem, recordem-se que se doaram a si mesmos e entregaram seus corpos ao Senhor Jesus Cristo. E por amor ao Senhor devem expor-se tanto aos inimigos visíveis quanto aos invisíveis, porque diz o Senhor: Bemaventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

 

FONTES

RA 17, 5 – 6.17

1Jo 4, 16

 

31. Na caridade, que é o próprio Deus, esforcem-se todos os irmãos e as irmãs para humilhar-se em tudo, seja orando, seja servindo ou seja trabalhando; se empenhem de não se gloriar de si mesmos nem se alegrar ou se exaltar interiormente por suas boas palavras e obras, até mesmo por nada do que Deus faz ou diz ou alguma vez opera neles ou por meio deles. Em todo o lugar e em todas as circunstâncias, reconheçam que todos os bens são do senhor Deus, altíssimo e soberano de todas as coisas, e a ele rendam graças porque dele procede todo bem.

 

Exortação e Bênção

 

FONTES

RR 10, 8

FVCl 10, 7

RR 12, 4

FVCl 12, 11

Test 40 – 41

 

32. Todos os irmãos e irmãs estejam atentos ao dever de desejar, acima de todas as coisas, ter o espírito do Senhor e seu santo modo de operar. E sempre súditos da santa Igreja e estáveis na fé católica, observem a pobreza e a humildade e o Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo que firmemente prometeram. E todo aquele que observar estas coisas, seja no céu cumulado com a bênção do altíssimo Pai e na terra com a bênção de seu Filho dileto e com o Santíssimo Espírito Consolador e com todas as virtudes do céu e todos os santos. E eu, frei Francisco, pequenino, vosso servo, tanto quanto posso, vos confirmo interior e exteriormente esta santíssima bênção.

"E eu, irmão Francisco, seu pequenino, vosso servo, tanto quanto posso, vos confirmo interior e exteriormente esta santíssima bênção."